Angiologia / Vascular

Seção vazia. Edite a página para adicionar conteúdo aqui.

Acupuntura

O que é

A acupuntura é um conjunto de práticas terapêuticas inspirado nas tradições médicas orientais. Criada há mais de dois milênios, a acupuntura é um dos tratamentos médicos mais antigos do mundo. Consiste na estimulação de locais anatômicos sobre ou na pele – os chamados pontos de acupuntura.

Diferentes abordagens para o diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças são realizadas, entretanto o procedimento mais adotado no mundo atualmente é a penetração da pele por agulhas metálicas muito finas e sólidas, manipuladas manualmente ou por meio de estímulos elétricos.

De acordo com a tradição chinesa, a técnica é capaz de ajustar canais energéticos do corpo, chamados na acupuntura de meridianos, de acordo com equilíbrio de yin e yang. A medicina ocidental e moderna, contudo, sugere que o método estimule a liberação de substâncias químicas que alteram o sistema nervoso e podem ter efeitos em todo o corpo, promovendo o equilíbrio do organismo. Sendo assim, está muito associada a transtornos orgânicos resultantes de tensões emocionais como o estresse.

O diagnóstico é feito após o questionamento de diferentes aspectos da vida do paciente e a observação de manifestações físicas como a pulsação, a respiração, cor e aspecto da pele e da língua. Assim que o problema é identificado, o paciente pode ter alguns de seus mais de mil pontos de acupuntura estimulados em diversas e frequentes sessões.

Para que serve

A acupuntura busca a recuperação do organismo como um todo pela indução de processos regenerativos, normalização das funções alteradas, reforço do sistema imunológico e controle da dor.

Embora pesquisas tenham demonstrado que a acupuntura pode realmente desativar áreas do cérebro associadas a dores, não se sabe exatamente se o método constitui um mecanismo que sustenta ou contribui para o efeito terapêutico sobre uma pessoa.

De qualquer forma, a técnica sobrevive há milênios, mostrando benefícios a indivíduos com problemas gastrointestinais, respiratórios, musculares, urológicos, endocrinológicos, psicológicos e neurológicos, ginecológicos e até mesmo dermatológicos.

A acupuntura é especialmente indicada para a redução da dor em casos de fibromialgia e dores localizadas nas costas, tratamento de náuseas e vômitos em pacientes que se submetem a quimioterapias ou cirurgias, e diminuição da tensão emocional.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a prática um complemento da medicina moderna. Nos Estados Unidos, foi recomendado apenas no ano passado pelo Instituto Nacional para a Saúde e Excelência Clínica (NICE) como opção de tratamento para dores nas costas pelo sistema público de saúde do país.

No Brasil, a acupuntura é reconhecida como especialidade médica conforme deliberação do Conselho Federal de Medicina e consta na Tabela do Sistema de Informações Ambulatoriais (SAI/SUS) do Ministério da Saúde.

Curiosidades

Pesquisadores da Universidade de Rochester, nos EUA, observaram que tecidos próximos das agulhas tinham até 24 vezes mais adenosina, sugerindo que a imperceptível perfuração da pele possa acionar tanto o acúmulo da substância em tecidos mais externos da pele, como também a sinalização ao cérebro para criar endorfinas naturais contra a dor.

De acordo com a medicina chinesa, os meridianos energéticos que atravessam o corpo são afetados por energias “perversas”, que afetam o organismo de forma geral. Apesar de soar místico, a própria tradição ocidental considera que ventos, bactérias, vírus, lesões, traumas, ansiedades, frio ou calor constituam boa parte das energias “perversas”. A medicina moderna concorda.

Nem apenas de agulhas vive a acupuntura: a estimulação de pontos de acupuntura pode ser feita também pelos dedos (acupressão), com pedras quentes, laser e muitas outras técnicas. O importante, pregam os defensores da prática, é que os fluxos energéticos sejam retomados e a energia do corpo equilibrada.

Cardiologia

Cardiologia é a especialidade médica que se ocupa do diagnóstico e tratamento das doenças que acometem o coração bem como os outros componentes do sistema circulatório.

O médico especialista nessa área é o cardiologista.

Quando devo consultar um Cardiologista?

Deve-se consultar um cardiologista, basicamente, em duas situações: para orientação preventiva e para tratamento de alguma doença.

I-Cardiologia Preventiva:

a- Sabendo que a maior causa de morte atualmente é por problemas cardiovasculares e ao que tudo indica, essa incidência tende a aumentar, todos os adultos, a partir de 18 anos de idade, mesmo que aparentemente saudáveis, deveriam consultar,  o cardiologista, para se orientarem, adequadamente, a respeito de seus próprios riscos cardíacos e da diversas possibilidades atuais oferecidas como tratamento preventivo .
Apesar das altas taxas de mortalidade por problemas cardiovasculares, é importante deixar bem claro que a maioria das complicações podem ser evitadas quando o diagnóstico é precoce e o paciente investe na PREVENÇÃO.

b-Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física

c-Antes de submeter-se a algum procedimento cirúrgico

II- Cardiologia Curativa

Se eu não tenho nenhum diagnóstico, como saber que meus sintomas são de doença cardíaca?
Os sintomas abaixo relacionados são os que aparecem mais freqüentemente nas doenças cardíacas:

Como saber que a dor é do coração?

O coração está localizado no tórax por isso a isquemia, ou seja a diminuição da chegada de sangue nesse órgão, pode provocar dor , desconforto ou pressão em qualquer local dessa  região, inclusive no estomago, e  dorso. Essa dor também pode irradiar-se para os braços e queixo.
A dor precordial típica é opressiva, como se algo estivesse apertando fortemente o precórdio. Muitas vezes ela vem acompanhada de sudorese, palidez, sensação de morte,  falta de ar ou dificuldade para respirar.

Como saber que a (dispneia) falta de ar é devido a algum problema no coração?

É um desconforto respiratório, fazendo com que o paciente aumente a freqüência e a intensidade da respiração. A falta de ar pode ser decorrente tanto de doenças pulmonares quanto cardíacas. Quando é devido a problema cardíaco, geralmente é conseqüente `a incapacidade do coração de bombear adequadamente o sangue, como na, insuficiência cardíaca e valvopatia mitral. Nessas situações , o aumento da pressão no coração, mais especificamente, no átrio esquerdo, transmite essa pressão para os vasos do  pulmão e ocorre extravasamento de liquido para o interstício do pulmão. Temos  :
Dispneia de esforço – falta de ar que ocorre conforme o paciente aumenta a atividade física
Dispneia de decúbito ou  Ortopneia – quando o paciente só consegue dormir com a elevação do tronco, usando diversos travesseiros para ficar alto. As vezes os pacientes necessitam sentar na beira da cama, com os pés para fora, para diminuir o retorno venoso e melhorar  os movimentos respiratórios.
Dispneia paroxística noturna – quando o paciente apresenta falta de ar, acompanhada de tosse e expectoração espumosa, algumas horas depois de se deitar. Ocorre por reabsorção gradativa do edema tecidual produzido durante o dia
Dispneia de decúbito lateral – falta de ar quando o paciente se deita, geralmente do lado esquerdo. Geralmente é decorrente de derrames pleurais ou aumento da área cardíaca, comprimindo as veias cavas e pulmonares.

Cardiologia Pediátrica e Neo Natal

Pediátrico

Tem como objetivo principal entender a queixa do pequeno paciente e realizar o exame cardiológico da criança através do exame físico, com ênfase na análise da coloração da pele e mucosas, ausculta cardíaca com estetoscópio e palpação de pulsos e fígado.
O cardiologista pediátrico vai identificar se há necessidade de exames complementares e orientar a família em relação ao tratamento.

Neo Natal

Tem como objetivo principal explicar em detalhes o resultado da ecocardiografia fetal, isto é, a cardiopatia congênita, traçando prognóstico da doença em termos de risco cirúrgico, sobrevida e qualidade de vida da criança. O cardiologista fetal vai identificar a melhor conduta terapêutica e também calcular e comunicar os riscos genéticos para futuras gestações. Pode ser necessário organizar apoio psicológico ao casal, dependendo da gravidade da situação.

Clinica Geral

O médico que exerce Clinica Geral tem a possibilidade de processar sua percepção do paciente como uma totalidade de maneira prática. Não existe um paciente que esteja doente apenas de um órgão, seja nas doenças agudas, seja nas crônicas: por exemplo, uma doença alérgica da pele pode estar vinculada a um subtil transtorno digestivo, uma doença pulmonar pode sobrecarregar intensamente a atividade do coração, uma patologia hepática crônica pode afetar a função cerebral e a personalidade do paciente; outras doenças orgânicas podem se manifestar claramente vinculadas a uma alteração no desenvolvimento da personalidade do paciente, como acontece com frequência nas doenças autoimunes.

Assim, desde o início, o clínico geral precisa ter o conhecimento e a percepção global dessas relações que na medicina antroposófica são as decisivas para fundamentar o diagnóstico e o tratamento. Por essa razão, muitos médicos que se baseiam nesta medicina agem centralmente como clínicos gerais. Obviamente, em alguns casos será necessário o apoio de um especialista que, atualmente, já estão à disposição dentro do próprio campo da medicina antroposófica.

Dermatologia

Dermatologia é uma especialização médica cuja área de conhecimento se concentra no diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças e afecções relacionadas à pele, pelos, mucosas, cabelo e unhas.

O dermatologista é o médico especialista no diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças da pele, pelos, mucosas, cabelos e unhas. São mais de 3.000 doenças dermatológicas que afetam a pele de crianças, adultos e idosos.

O dermatologista atua no diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças, além de orientar sobre cuidados gerais, solucionar problemas estéticos e trabalhar na manutenção da beleza da pele. Veja algumas doenças que os dermatologistas tratam: acne (espinhas), alergias, vitiligo, psoríase, queda de cabelos, hanseníase (lepra) e câncer da pele.

O profissional  também é habilitado para tratar de doenças nas mucosas, como afecções na boca, lábios, gengiva, língua e também na área genital. Neste caso enquadram-se as doenças sexualmente transmissíveis (DST) ou doenças venéreas.

Endocrinologia

As principais áreas de atuação do endocrinologista:

Reposição Hormonal da Menopausa – A reposição hormonal é um tratamento eficaz, feito com hormônios iguais aos da própria mulher, para amenizar o desconforto e riscos causados pela menopausa.

Obesidade – A obesidade representa um risco para a saúde as crianças e dos adultos. O tratamento orientado pelo especialista evita uma série de complicações, como as cardiovasculares e as ortopédicas.

Crescimento – Uma criança saudável tem um crescimento normal O crescimento deficiente ou excessivo pode ocorrer em função de alterações hormonais, nutricionais ou genéticas.

Excesso de Pêlos – Mulheres com excesso de pêlos na face (hirsutismo), acne ou aumento da musculatura podem estar com produção excessiva de hormônios masculinos.

Doenças da Glândula Supra-Renal – Aumento de peso, estrias avermelhadas, pêlos excessivos, pressão alta ou baixa, puberdade precoce, além do escurecimento da pele, podem significar problemas na glândula supra-renal.

Distúrbios da Puberdade – Crianças que desenvolve precocemente pêlos pubianos, odor axilar e têm desenvolvimento das mamas apresentam distúrbios hormonais e necessitam avaliar a origem do problema. Os adolescentes que não desenvolvem essas características também necessitam de uma avaliação.

Distúrbios da Menstruação – Alterações no ciclo menstrual (falta de menstruação ou menstruação mais de uma vez ao mês) podem significar problemas hormonais. Por isso, necessitam de investigação e tratamento adequado.

Doenças da Hipófise – Tumores da hipófise podem levar à presença de leite nas mamas, fora do período de amamentação, além de mudanças faciais, aumento do numero do sapato, dores de cabeça e distúrbios da visão.

Diabetes – Se você tem excesso de peso, parentes com diabetes, hipertensão ou alterações da gordura no sangue, procure um endocrinologista. Você pode ficar com diabetes. Mas, se você bebe muita água, urina muito e perde peso, pode estar com diabetes.
Colesterol e Triglicerídeos – A alimentação inadequada e algumas doenças podem levar ao aumento do colesterol e dos triglicerídeos em adultos e crianças. Com um tratamento adequado, o risco de futuras complicações cardiovasculares é reduzido.

Osteoporose – A osteoporose é uma doença endócrina. Dores nos ossos e fraturas freqüentes podem significar enfraquecimento ósseo. Procure seu endocrinologista. Ele pode diagnosticar e indicar o tratamento adequado.

Andropausa – Os hormônios masculinos podem diminuir quando o homem envelhece. Nesse caso, algumas pessoas podem sentir cansaço, diminuição da força muscular e disfunção sexual, necessitando da ajuda do especialista para fazer reposição hormonal.

Tireoide – Nódulos ou aumento do volume do pescoço, nervosismo, insônia e alterações no ritmo intestinal, coração acelerado ou desacelerado, perda ou ganho de peso e excesso de frio ou calor podem revelar distúrbios da tireoide.

Em todos os casos citados é importante que, identificados os sintomas, seja consultado um endocrinologista.

Exames Cardiológicos

Eletrocardiograma (12 derivações)

O que é o exame?

Também conhecido como eletrocardiograma (ECG) de repouso, é um exame fundamental na detecção de doenças do coração. Está prestes a completar 100 anos e sua história se confunde com a história da cardiologia. Apesar de veterano, ainda é um exame extremamente útil e atual.

Principais indicações:
– Avaliação de dor torácica, dispnéia, palpitações, tonturas ou desmaios
– Avaliação do estado das câmaras cardíacas (sobrecarga, hipertrofia)
– Avaliação do ritmo cardíaco (aceleração, alentecimento, irregularidades – arritmias)
– Avaliação de bloqueios cardíacos (necessidade de marcapasso)
– Avaliação de isquemia miocárdica (falta de circulação coronariana adequada)
– Avaliação da implicação de diversas doenças ou medicamentos sobre o coração

Como é realizado o exame?
De forma extremamente simples, o exame é realizado em uma sala climatizada, onde o paciente é deitado numa maca e feito a limpeza da pele nos pontos onde serão conectados os eletrodos (peito, braços e pernas). A duração do exame não costuma ser maior de 5 minutos.

Preciso tomar as medicações no dia do exame?
Vai depender da orientação do médico que solicitou o exame.

Posso trabalhar normalmente no dia do exame?
Sim.

Existe risco para realizar o exame?
Não, nenhum.

Quem lauda o exame?
Um médico cardiologista com conhecimento nessa área.

Preparo do exame:
– É importante que o corpo esteja bem limpo (banho com sabonete e remoção da gordura)
– Em alguns casos, pode ser necessário a retirada de pêlos em homens
– Trazer os exames anteriores (se houver)
– Trazer nome e/ou os medicamentos em uso.

M.A.P.A

A MAPA (assim mesmo, no feminino) é a sigla de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial. Trata-se de um exame útil tanto no diagnóstico e no acompanhamento da Hipertensão Arterial.
A pressão arterial varia constantemente por isto não podemos na maioria dos casos estabelecer o estágio de Hipertensão Arterial somente com as leituras da pressão arterial realizadas no consultório.
Aproximadamente 30 % das pessoas tem sua pressão elevada durante sua medidas realizadas no consultório médico, fato que pode gerar erros de diagnóstico e no tratamento.

Principais indicações:
– Hipertensão elevada somente no consultório hipertensão do jaleco branco
– Hipertensão muito alta sem melhora com uso de medicamentos
– Pressão arterial em níveis limítrofes
– Hipertensão elevada somente no consultório hipertensão do jaleco branco

Como é realizado o exame?
É colocado no seu braço não dominante a uma braçadeira para medir pressão, igual aos de aparelhos comuns, ligadas à um compressor que fica preso em sua cintura. Habitualmente pode ser completamente escondido pela roupa.

O que informa:
Realiza em torno de 80 leituras de pressão no período de 24 horas. Permite avaliar a pressão em diferentes situações durante o dia e na noite.

O que você precisa informar:
– Os medicamentos e sua dosagem que você faz uso.
– Também receberá um diário no qual você deverá preencher relatando as principais atividades e eventuais sintomas.

Posso trabalhar normalmente durante o período de exame?
Sim. Você não poderá molhar o aparelho e durante as medidas anunciadas durante o dia com um BIP, você deverá suspender sua atividade e deixar o braço apoiado sobre uma superfície para que fique na mesma altura do seu coração. Terminada a insuflação e desinflução do aparelho você poderá voltar às suas atividades.

Existem riscos para realizar o exame?
Não, ocasionalmente o paciente poderá sentir desconforto ou mesmo dor no braço. No caso de persistência, deverá contactar com os telefones abaixo.

Quem lauda o exame?
Um médico cardiologista com especialização em Hipertensão Arterial pela Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial.

Preparo do exame:
– O aparelho impossibilitará o banho corporal até sua retirada
– Roupas confortáveis
– Mulheres: se possível usar saia e blusa ou calça e blusa
– Autorizar junto ao convênio.

Holter

O Eletrocardiograma de longa duração – Holter de 24 horas é um exame complementar que é utilizado para avaliar a presença de arritmias cardíacas (distúrbios do ritmo cardíaco) tanto para mais (taquiarritmias) como para menos (bradiarritmias), bem com irregularidades no ritmo (extrassístoles). Além disso pode colaborar na investigação de isquemia miocárdica – falta de oxigênio no músculo cardíaco (angina).  Este exame é indicado quando o paciente apresenta palpitações, tonturas, desmaios, dor no peito, ou mesmo quando nada sente e o médico percebe alterações durante o exame clínico. É mais útil quando os sintomas ou alterações acontecem numa frequência maior, diária preferencialmente.

O sistema nervoso autônomo (SNA) desempenha um papel importante na regulação dos processos fisiológicos do organismo humano tanto em condições normais quanto patológicas. Dentre as técnicas utilizadas para sua avaliação, a Variabilidade da Frequência Cardíaca (VFC) ou Varibilidade R-R é uma medida simples e não-invasiva dos impulsos autonômicos, representando um dos mais promissores marcadores quantitativos do balanço autonômico. A VFC descreve as oscilações no intervalo entre batimentos cardíacos consecutivos (intervalos R-R), assim como oscilações entre frequências cardíacas instantâneas consecutivas. Trata-se de uma medida que pode ser utilizada para avaliar a modulação do SNA sob condições fisiológicas, tais como em situações de vigília e sono, diferentes posições do corpo, treinamento físico, e também em condições patológicas. Mudanças nos padrões da VFC fornecem um indicador sensível e antecipado de comprometimentos na saúde. Uma alta variabilidade na frequência cardíaca é sinal de boa adaptação, caracterizando um indivíduo saudável, com mecanismos autonômicos eficientes, enquanto que, baixa variabilidade é frequentemente um indicador de adaptação anormal e insuficiente do SNA, implicando a presença de mau funcionamento fisiológico no indivíduo, uma doença e até um maior risco de morte súbita. O que antes exigia aparelhos especiais, dedicados e com custo elevado, hoje a realização de um Holter de 24 horas pode incluir, desde que presente no algoritmo de seu software, esta análise e trazendo de maneira simples, não invasiva e de baixo custo, esta valiosa informação que contribui na condução clínica do paciente.

Como é realizado o exame?
O exame consiste na instalação de alguns eletrodos no peito do paciente, os quais são ligados a um pequeno gravador que fica fixo na cintura (cinto) do paciente. O paciente permanece com o aparelho por 24 horas e executa todas as atividades normais do dia-a-dia, para que realmente a gravação reproduza o seu cotidiano. Alguns cuidados deve-se ter em relação ao aparelho. Vide mais adiante. O paciente receberá um diário para anotações dos sintomas para posterior correspondência ao traçado eletrocardiográfico obtido.

O que o exame informa?
– Presença arritmias cardíacas (acelaração, alentecimento, pausas, irregularidades)
– O estado do sistema excito-condutor do coração (sistema elétrico)
– Presença de isquemia miocárdica (angina)
– Variabilidade da freqüência cardíaca nas 24 horas (importante para o prognóstico de algumas cardiopatias)

O que você precisa informar?
– Converse com o seu médico sobre os medicamentos em uso, pois alguns podem interferir com o exame (antiarrítmicos, beta-bloqueadores, bloqueadores dos canais de cálcio). Alguns podem ser suspensos temporariamente antes do exame, outros não, sempre a critério do seu médico assistente (que pediu o exame). Estamos à disposição para dirimir dúvidas, por telefone ou e-mail.
– Enquanto estiver com o gravador, anote com precisão os horários das atividades mais relevantes e principalmente dos sintomas que apresentar.

Posso trabalhar normalmente após o exame?
Sim, respeitando os cuidados com o aparelho.

Existem riscos para realizar o exame?
Não. É um exame completamente passivo. O máximo que pode ocorrer é uma reação (vermelhidão) na pele onde foi colado os eletrodos.

Quais são os cuidados com o aparelho?
Não se deve bater, molhar, sujar ou deixar cair o aparelho. Pedimos muito sua colaboração neste quesito. Evite puxar os cabos eletrodos também.

Quem lauda o exame?
O médico cardiologista que analiizou o exame.

Quais são os cuidados antes do exame?
– Trazer um cinto ou uma cinta é fundamental para segurar o aparelho
– Mulheres: se possível usar duas peças (com cinto), evitar o vestido. A blusa deve ter a manga bem folgada ou bem curta (ideal camiseta de malha)
– O aparelho impossibilitará o banho corporal até sua retirada
– Deve tomar banho imediatamente antes do exame
– Autorizar junto ao convênio

Exames Laboratoriais

Seção vazia. Edite a página para adicionar conteúdo aqui.

Fisioterapia

O fisioterapeuta trata e previne doenças e lesões, empregando técnicas como massagens e ginástica. Este profissional diagnostica e trata problemas causados por má-formação, acidentes ou vícios de postura. Aplica massagens e orienta exercícios que têm a finalidade de restaurar, desenvolver e manter a capacidade física e funcional do paciente. Também faz tratamentos à base de água, calor, frio e aparelhos específicos. Além de ajudar na recuperação de acidentados e portadores de distúrbios neurológicos, cardíacos ou respiratórios, ele trabalha com idosos, gestantes, crianças e pessoas com deficiência física ou mental.

Gastroenterologia

O que é?  A gastroenterologia (palavra oriunda do grego gastro=estômago; entero=intestino; logia=estudo), também chamada de gastrenterologia, é a especialidade médica responsável por estudar, diagnosticar e tratar moléstias que acometem o aparelho gastrointestinal.  O aparelho gastrointestinal é composto por diversos órgãos e, consequentemente, o número de problemas desta área é amplo. Estes órgãos são: boca, esôfago, estômago, duodeno, intestino delgado e intestino grosso, além dos órgãos anexos à este aparelho, que são o fígado e o pâncreas.  Dentre as úlceras estomacais e duodenais, a gastrite e apendicite, dentre outras afecções, sendo que em consequência do grau de complexidade dos mecanismos englobados no processo digestório, há uma ampla variedade de problemas que apresentam diferentes níveis de severidade.  Atualmente, em decorrência do grande avanço da medicina, é possível diagnosticar precocemente e mais precisamente afecções gastrointestinais, bem como tratá-las com sucesso uma boa parte dessas patologias.

Geriatria

O geriatra é um médico que utiliza uma abordagem ampla para a avaliação clínica, incluindo aspectos psicossociais, escalas e testes; por isso, a consulta geriátrica é, em geral, mais demorada.
Além de lidar com doenças como as demências, a hipertensão arterial, o diabetes e a osteoporose, o geriatra também trata de problemas com múltiplas causas, como tonturas, incontinência urinária e tendência a quedas. Ele também fornece cuidados paliativos aos pacientes portadores de doenças sem possibilidade de cura.

Frequentemente, atua em conjunto com equipe multidisciplinar, como na avaliação de tratamentos adequados e daqueles que trazem riscos e/ou interações indesejadas.

A Medicina Geriátrica é uma ciência que avança a cada dia, propiciando longevidade com melhor qualidade de vida para a população idosa.

Ginecologia e Obstetrícia

Ginecologia

A ginecologia literalmente significa “a ciência da mulher”, mas na medicina é a especialidade que trata de doenças do sistema reprodutor feminino, útero, vagina e ovários. Quase todos ginecologistas atuais são também obstetras. Os principais problemas tratados com um ginecologista são:

  • Câncer dos órgãos reprodutivos incluindo ovários, tuba uterina, útero, vagina e vulva
  • Incontinência urinária
  • Amenorréia (ausência dos períodos menstruais)
  • Dismenorréia (períodos menstruais dolorosos – cólicas)
  • Infertilidade e fertilidade
  • Menorragia
  • Prolapso dos órgãos pélvicos
  • Cervicite / Corrimento / Infecção vaginal
  • Doença Inflamatória Pélvica
  • Cisto Ovariano
  • Mioma

Atualmente algumas doenças ginecológicas podem ser tratadas com o uso de laser:

  • HPV (verrugas genitais – condiloma)
  • Rejuvenescimento vaginal
  • Depilação a laser
  • Pólipo uterino
  • Ovario Policístico

Obstetrícia

A Obstetrícia é a ciência que estuda a reprodução humana. Investiga a gestação, o parto e o pós-parto nos seus aspectos fisiológicos e patológicos. O termo “obstetrícia” vem da palavra latina “obstetrix”, que é derivada do verbo “obstare” (ficar ao lado). Para alguns, seria relativo à “mulher assistindo à parturiente” ou “mulher que presta auxílio”.

Mastologia

Mastologia é a especialidade que se dedica ao estudo das glândulas mamárias. Esse profissional previne, diagnostica e trata doenças mamárias. Esse profissional sempre deve ser consultado quando se tem alterações nas mamas ou se pensa em fazer algum procedimento cirúrgico.

Atualmente cada vez mais mulheres preferem ter suas mamas avaliadas anualmente por um especialista na área. O mastologista é o profissional que, além de ter sua formação em saúde da mulher, passa alguns anos de seus estudos apenas enfocado na avaliação e cirurgia das mamas.

Por isso é um profissional extremamente habilitado para cuidar de uma das partes principais do corpo feminino. A especialidade engloba os diversos problemas das mamas, seja em parte estética como nas principais doenças como o câncer de mama.

O seu mastologista de escolha deve ser um profissional que seja titulado a Sociedade Brasileira de Mastologia.

Faça uma avaliação com especialista em mamas, certamente ele fará diferença para a sua saúde.

Neurologia

A Neurologia é a especialidade que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças que afetam o sistema nervoso (cérebro, tronco encefálico, cerebelo, medula espinhal e nervos) e os componentes da  junção neuromuscular (nervo e músculos).
As doenças mais comuns tratadas pelo neurologista são:

  • Cefaleias ou dores de cabeça
  • Distúrbios do sono (insônia, excesso de sono, sono não restaurador, ronco, apneia do sono)
  • Doenças cérebro-vasculares (AVC) ou “derrames”
  • Distúrbios do movimento (como tremores, tics e doença de Parkinson)
  • Demências (como doença de Alzheimer)
  • Doenças desmielinizantes (como a Esclerose Múltipla)
  • Neuropatias periféricas (como a diabética)
  • Doenças musculares e de junção (como a Miastenia Gravis)
  • Desmaios, crises convulsivas e epilepsias
  • Tonturas e vertigens
  • Infecções do sistema nervoso (como meningites e encefalites)
  • Tumores
  • Doenças degenerativas
  • Déficit de atenção e hiperatividade
  • Formigamentos, perda de memória, confusão, perda de força, alteração na visão, mudança de comportamento, etc

A neurologia tem interface com a psiquiatria e pode tratar de casos de depressão, ansiedade, irritabilidade, pânico, etc.

Nutrição

O nutricionista investiga e controla a relação do homem com o alimento para preservar sua saúde. Ele planeja, administra e coordena programas de alimentação e nutrição em empresas, escolas, hospitais, hotéis, restaurantes comerciais, spas ou abrigos infantis e de idosos, entre outros grupos. Define cardápios, sugerindo pratos variados e equilibrados, que supram as necessidades nutricionais dos clientes, pacientes ou hóspedes. Orienta e prescreve dietas individuais ou de grupo, para diabéticos, hipertensos, obesos e pacientes de doenças renais, hepáticas ou qualquer outra cujo tratamento exija acompanhamento alimentar específico.

Ortopedia

A ortopedia é a especialidade médica que cuida das doenças e deformidades dos ossos, músculos, ligamentos, articulações, enfim, elementos relacionados ao aparelho locomotor. A traumatologia é a especialidade médica que lida com o trauma do aparelho músculo-esquelético.

A ortopedia se disseminou como um ramo da medicina na época romana, onde se desenvolveu métodos cirúrgicos de se consertar fraturas.

Existem diversas doenças ósseas que independem do trauma, como o câncer ósseo, luxações congênitas e deformidades ósseas que necessitam de tratamento médico. As hérnias de disco, causadoras de dores intensas na coluna, podem ser operadas tanto por ortopedistas como por neurocirurgiões, dependendo de sua formação.

O aumento da velocidade de locomoção do ser humano trouxe também o trauma, considerada uma doença, ao contrário do antigo termo utilizado, que era “acidente”.

Outro importante campo de atuação da especialidade é na área do esporte, onde temos as lesões esportivas com características próprias de cada esporte em particular (um gesto, uma lesão). As lesões decorrentes das atividades esportivas envolvendo o sistema músculo-esquelético de modo geral envolvem os músculos, tendões, cápsula e ligamentos articulares e os ossos nos mais diversos graus de comprometimento, afastando o atleta de suas atividades esportivas por tempo determinado, de acordo com a gravidade da lesão.

Um acidente de trânsito terrestre, aéreo ou mesmo doméstico pode acarretar fraturas ósseas complexas, com perdas sanguíneas importantes. As fraturas podem ser “fechadas”, isto é, houve uma fratura mas a parte fraturada não se comunicou com a parte externa, sendo por isso considerada uma fratura limpa e que pode ser alinhada e mantida imobilizada com gesso. Outro tipo de fratura é a “exposta”, que ocorre quando a fratura tem alguma comunicação com o meio exterior. Um exemplo seria um fêmur fraturado que rasgasse a pele e aparecesse do lado de fora da perna.

Embora a traumatologia ortopédica pareça ser o estudo de todo tipo de trauma, ela lida apenas com as lesões ósseas e musculares tendinosas dos membros superiores, inferiores, bacia e coluna.

Otorrinolaringologia

A principal função do otorrinolaringologista (ou, para abreviar, ‘otorrino’) é a de cuidar da audição, da respiração, da voz (englobando as cordas vocais), da garganta e de tudo que estiver relacionado a isso, como o sono e as alergias das vias respiratórias.  Os sinais e sintomas mais comuns das doenças tratadas pelos otorrinos são:  Nariz entupido Dor de cabeça Dor na face Secreção nasal Sangramento nasal Dificuldade auditiva/surdez Zumbido Tontura Secreção no ouvido Sangramento no ouvido Dor de ouvido Dor e infecção de garganta Rouquidão (disfonia) Pigarro Tosse Roncos e apnéia A avaliação clínica do Otorrinolaringologista (Otorrino) é muito importante para o correto diagnóstico e tratamento dessas afecções. O tratamento pode ser tanto cirúrgico quanto clínico, dependendo de cada caso especificamente.  As principais doenças são:  Rinites Sinusites Desvio do septo nasal Polipose nasal Distúrbios do sono (apnéia) Surdez Otites Perfuração do tímpano Distúrbios do labirinto, labirintites Amigdalite/faringite Adenóides e amigdalas aumentadas Paralisia facial Distúrbios da deglutição Alterações das pregas vocais Quando procurar um otorrino?  Geralmente o profissional é procurado após indicação de um outro médico, na maioria das vezes um clínico-geral ou pediatra. Mas o paciente pode e deve procurar o otorrino, sempre que perceber que está com problemas relacionados aos ouvidos, nariz e garganta.  O otorrinolaringologista acompanha o indivíduo desde o nascimento até a velhice, tratando das principais doenças que acometem cada fase da vida. Na infância as otites e amigdalites são mais frequentes, na idade adulta, as rinite, sinusites, rouquidão e nos idosos, a surdez e os distúrbios do equilíbrio.

Psiquiatria

A Psiquiatria sempre foi considerada como a “medicina da alma”. Hoje, todas as perturbações ditas “psiquiátricas”, quando explicadas, são vistas como consequências de distúrbios do cérebro.

Há algumas décadas, surgiu a Psicossomática, afirmando que muitas doenças têm origem em problemas anímicos; esse conceito é ampliado pela Antroposofia a partir do conhecimento de que muitas doenças psiquiátricas têm fundamentos orgânicos. Assim, a Psiquiatria ampliada pela Antroposofia busca, em cada individuo, a correlação entre os sintomas que apresenta e um sistema de órgãos. Para podermos diagnosticar, precisamos conhecer os sintomas típicos de cada órgão.

O objetivo é distinguir o processo da doença em si e o modo como cada indivíduo adoece. Procuramos conhecer sua biografia desde o período da gestação, a maneira como foi acolhido na Terra, sua estrutura familiar, as influências ambientais e educacionais e sua atitude frente à vida.

A partir do diagnóstico, procuramos chegar a uma terapêutica que poderá ser medicamentosa ou, ainda, encaminhamos o paciente para um acompanhamento multidisciplinar, tentando torná-lo, quando possível, consciente do que o levou a adoecer, acompanhando-o em direção ao seu futuro.

Reumatologia

Segundo pesquisas realizadas, existem hoje mais de cem tipos de doenças reumáticas, sendo que no Brasil, calcula-se que um número superior à quinze milhões de pessoas são afetadas por elas, entre adultos e crianças, resultando assim em grande sofrimento pessoal, podendo causar até incapacidade física e afastamento temporário ou definitivo do trabalho.

Para chegarmos à um tratamento correto do problema apresentado pelo paciente, primeiro faz-se necessário uma abordagem minuciosa dos sintomas, a qual será realizada pelo reumatologista que investigará todo o quadro clínico do paciente, e então fará sua avaliação e posterior diagnóstico, prescrevendo então o tratamento específico e adequado à cada caso e realizando um acompanhamento.

A Reumatologia é a especialidade da Medicina que pesquisa, diagnostica, e investiga tais doenças, as quais acometem os ossos, colágeno e articulações. Entres essas patologias, as mais popularmente conhecidas são as doenças reumáticas ou reumatismos.

À seguir podemos conferir alguns tipos:

1) Gota (doença causada pelo excesso de ácido úrico)

2) Diversas formas de artrite e artrose

3) Osteoporose

4) Fibromialgia

5) Febre reumática

6) Tendinites e bursites

7) Doenças que acometem a coluna vertebral

8) Doenças auto-imunes, como exemplo: Lupus eritematoso

RPG

Em quais casos deve-se procurar pela RPG?

A maioria das pessoas não está acostumada a se portar como deveria com o seu corpo. Posturas inadequadas no trabalho, em casa, no lazer, na escola são frequentes e com elas o indivíduo fica suscetível a uma série de patologias. Outros fatores também podem contribuir para agravar o problema, é o caso da gravidade que tende a nos comprimir, achatando músculos e articulações. Tudo isso acaba provocando um desequilíbrio do corpo e é nesse contexto que entra em ação a RPG.

Diversos problemas morfológicos, articulares, traumáticos, respiratórios (asma/bronquite), somáticos (estresse, distúrbios circulares e digestivos), reumatológicos (artrite, artrose, bursite, tendinite), cervico-óculo-motores (estrabismo, cefaleias), problemas de períneo (como a incontinência urinária), sequelas de patologias neurológicas e problemas de origem esportiva que requerem fisioterapia podem ser tratados pela RPG.

O método é indicado ao público mais diverso, de ambos os sexos e de todas as idades, tanto para prevenir as eventuais consequências da má postura, quanto para combater as diversas dores relacionadas a diferentes patologias: dores lombares, ciáticas, dorsais e cervicais; lesões por esforço repetitivo (LER), decorrentes da profissão ou de atividades desportivas; desvios de coluna (escoliose, hiperlordose e hipercifose); dores nos pés, punhos e mãos; dores no quadril (pubalgias); hérnias de disco; torcicolos; além de proteger contra processos degenerativos articulares. A RPG é também bastante aplicada, atualmente, na prevenção, preparação e recuperação de atletas e na reeducação pós-traumática.

Dessa forma, percebe-se que o tratamento com RPG pode ser utilizado em grande parte das patologias ou perturbações do sistema neuro-músculo-esquelético, doenças agudas ou crônicas, com ou sem sintomas. Não há contra-indicação específica para sua aplicação.

A RPG é, particularmente, eficaz nos problemas de postura: deformações morfológicas; dorso enrolado (hipercifose); concavidade lombar exagerada (hiperlordose); escolioses; ombros enrolados; joelhos em X (valgo); joelhos arqueados (varo); pés planos, cavos, etc.

O trabalho de fisioterapia manual realizado dentro da RPG ajuda a aliviar não somente a dor, como também beneficia a capacidade funcional das diferentes estruturas do corpo, o que leva a uma melhora da qualidade de vida dos pacientes. Muitos são os relatos que desde a primeira sessão há grande melhora na mobilidade e no controle da dor. Com o trabalho continuado, as funções laborais (das quais muitos se afastam em virtude dos sintomas de uma patologia) são retomadas e os resultados são visíveis, não somente na região afetada, mas no corpo como um todo.

 

Urologia

A Urologia nasceu como especialidade médica, clínica e cirúrgica, abrangendo o diagnóstico, orientação, tratamento e acompanhamento de um grande número e complexidade de enfermidades congênitas ou adquiridas, infecciosas, traumáticas, tumorais ou degenerativas do sistema urinário, em ambos os sexos, adulto ou infantil e do sistema genital masculino. que abrange a próstata, uretra, pênis, vesículas seminais, epidídimo e testículos, tratando inclusive de enfermidades da sexualidade masculina, tais como: impotência, ejaculação precoce, infertilidade, entre outras.

Comumente relaciona-se a Urologia com “doenças ligadas ao homem”, porém, o sistema urinário, composto pelos rins, ureteres, uretra e bexiga é comum para ambos os sexos, apenas a uretra é mais longa no homem, desta forma, o urologista poderá tratar tanto homens quanto mulheres.

No entanto, a Urologia deverá ser separada da Nefrologia, pois esta última é considerada clínica, e cuida apenas de alguns distúrbios relacionados com a função renal defeituosa ou ausente, como por exemplo: nefrites, nefroses e insuficiência renal.

A Urologia é um nobre campo de atuação da Medicina, o qual abrange, como pudemos observar um grande número de enfermidades relacionadas ao sistema urinário de ambos os sexos, em adultos e crianças, e mais especificamente em homens, no que se refere ao sistema genital masculino.